terça-feira, 31 de janeiro de 2012

É o salve-se quem puder



"Todos estão a falar de mais crescimento e nós lemos as conclusões [preliminares] da cimeira e dizemos “boa”. Mas onde estão as medidas concretas para o fazer?”, perguntava ontem o ex-primeiro ministro belga Guy Verhofstad.


Com a ilegalização oficial das políticas keynesianas,  encomendamos a corda  com que nos vamos enforcar. A única dúvida é saber se nos colocam de pés para cima ou de  pés para baixo.

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

A bem da Nação...



O governo acaba de alvarizar a Implantação da República e o Dia da Restauração e Independência. Os "parceiros sociais" como se percebe, são aqui chamados só para compor o jarrão...

Noite da Memória


Teatro S. Luis assinala hoje Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto.

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Feliz Aniversário

A vergonha nacional



Sobre o deprimente caso das pensões do senhor Silva as quais, segundo o próprio, não chegam sequer para os alfinetes da senhora Maria, já tudo foi dito, gulosado, analisado, escalpelizado até ao tutano. O homem  mesquinho como é, depois de ter levantado um sururu de indignação nacional, remeteu-se ao silêncio dos cobardes. E eu interrogo-me se seremos um povo tão rasca que não merecemos melhor do que este arremedo de presidente...

domingo, 22 de janeiro de 2012

Coisas que temos necessidade absoluta de saber....



"Sou o tipo de pessoa que não usa biquini na praia e que anda pela casa de pijama. Estive dez anos sem me ver nua ao espelho. Sou muito pudica"

Carey Mulligan ( que não tenho o prazer de conhecer, e estou em dúvida se não será uma pena), Revista do Expresso

"Quem tem uns seios pequenos usa aqueles enchimentos... Quando conhecemos um rapaz, tiramos os enchimentos, e depois não sabemos o que fazer com eles"

Charlize Theron (então Charlize uma rapariga como tu  precisa lá de enchimentos), Revista do Expresso

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

In memoriam



Foi surreal, lá isso foi....



"Na passada segunda-feira, na RTP1, foi transmitido, directamente de Luanda, um "Prós e Contras" intitulado "O Reencontro". O Reencontro, além de Fátima Campos Ferreira (com traje de queijo flamengo), incluía alguns convidados especiais: um ministro de Angola, empresários angolanos, Zeinal Bava e Relvas…, claro. Relvas é o mais africano dos Ministros de Tudo, de sempre. Apeteceu-lhe ir a Angola e a RTP é a sua autocaravana.

O Reencontro começou com humor feito por humoristas angolanos e incluiu uma imitação de
Cavaco Silva (desconfio que foi Relvas quem escreveu o "sketch"). É um bom sinal. Significa que há mais liberdade para o humor por lá. Nós, cá, não arriscamos fazer piadas com o Presidente de Angola.

Pela cara dos angolanos, tive medo que este reencontro desse em guerra. Era tudo com paninhos quentes, por parte dos portugueses. Qualquer comentário que meta um "vamos para Angola em força" é mal recebido. Estava um ambiente parecido com o dos filmes de ficção científica quando há um primeiro contacto. O som era mau e, de repente, parecia que estávamos na Primavera Marcelista. Estava tudo a correr razoavelmente não muito mal quando Fátima Campos Ferreira lança um desajeitado: "a menor transparência das empresas angolanas do Estado…". Ainda tentou salvar a situação, mas era tarde. O ministro angolano reagiu e terminou com um: "a transparência para nós está ao nível dos assuntos domésticos … Internos". Embrulha, Fáti.

Relvas interveio e mudou de assunto dizendo: "Angola é muito grande, não é só Luanda e amanhã vamos estar em Benguela. A Fátima, também segundo sei. "Eu não vou a Benguela", diz Fátima.... "Vai, vai", diz Relvas. Começou o castigo pela bronca. Só faltou acrescentar... "e vai com esse vestido e sem repelente para os mosquitos".

O programa terminou com Rui Veloso a cantar "O Anel de Rubi" - essa letra que diz tanto aos angolanos de Rio Tinto. Fica a pergunta: quando é que fazem um "Prós e Contras" destes na Madeira? O Reencontro Portugal-Madeira - pensa nisso, Relvas."

retirado daqui

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Aos abrigos!



"Socialists too must not be complacent in thinking this is merely a problem for the right. François Hollande, The left's candidate, can hardly claim a national mandate, if he is elected simply to stop Ms Le Pen. Neither Mr Sarkozy nor Mr Hollande have yet set out a serious rebuttal to the National Front programme. They must not delay. Otherwise the risk is that Ms Le Pen will make even greater gains.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Solilóquios (46)

Não percebo o alarido com as pontes, todas as que gozei  ao longo de trinta e oito anos de trabalho, foram sempre a descontar aos meus dias de férias. Já a retirada dos três dias de férias suplementares em função da  assiduidade, é uma autêntica aberração, mas em linha com a teoria oficial deste governo rodeado de pintelhos,  de que a produtividade é baixa porque os trabalhadores são calões...

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

O naufrágio


O papel, já se sabe, não era para ser tornado público. Mas foi. Qual papel? Obviamente, o documento reservado que o ministro das Finanças levou ao Conselho de Ministros informal de 16 de Dezembro e que alguém do Governo, talvez escandalizado, fez chegar a alguém que o fez chegar ao “Diário de Notícias”.

 Pedro Silva Pereira, o Papel, D. Económico


(...)
"Ora, se não acontecer mais nenhuma surpresa até ao final do ano, o que é altamente improvável, todos os cidadãos devem tremer de medo com esta notícia. Porque de duas, uma: ou o Governo admite desde já que não cumpre o défice; ou vai aplicar medidas adicionais para o cumprir, aumentando mais os impostos. Neste ponto, o ministro contradiz-se. No referido documento interno, Vítor Gaspar escreve, preto no branco, que “as estimativas indicam a necessidade de medidas adicionais no valor de 0,3% do PIB”. Mas esta semana no Parlamento negou por três vezes que sejam necessárias medidas de austeridade adicionais por este motivo ou para este efeito (transferência dos fundos de pensões da banca). Mas sobre outros motivos nada disse."



(...)
"O problema (...) é o momento em que Passo Coelho resolveu matar as ilusões. Justamente aquele em que lhe era proibido fazê-lo. Se já havia um largo e provavelmente inevitável sentimento de injustiça quanto à distribuição dos sacrifícios e uma fraca crença numa saída para a dose brutal de austeridade que não seja "a grega", agora haverá muito mais. Ora, a mistura de descrença e de sentimento de injustiça pode vir a revelar-se fatal no médio prazo. Nenhum país passa por aquilo que estamos a passar sem um forte sentimento de coesão social. Passos Coelho e o seu Governo desferiram-lhe um golpe severo. Numa semana que foi trágica no que respeita à percepção de como as coisas se fazem em Portugal, de quem está sempre a salvo das crises ou de quem acaba sempre por pagar o grosso da factura."

Teresa de Sousa, Público

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

O pastel



Como se aproxima o fim de semana,  que se anuncia frio e chuvoso, nada melhor que um pastel de Belém  ainda meio morno com canela, a rematar um franguinho de churrasco.

É que além de nos confortar a alma ainda ajudamos o Álvaro a exportá-los para o Canadá onde certamente os irá apreciar brevemente pouco saudoso da Pátria...

A vida como ela é...



O meu pacote de TV não inclui a TVI 24, de modo que não tive o prazer de ouvir em directo e a cores as deliciosas declarações deste man. O que seria da nossa vida política sem o brilho deste boy, para nos animar os dias....

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Talvez matá-los



Quando se pensa que não é já  possível descer mais baixo no desprezo que o pessoal político do partido do poder vota aos cidadãos mais carênciados, eis que somos confrontados, incrédulos, com a frieza abominável destas declarações.

Talvez  matá-los com a tal injecção atrás da orelha, ficava o assunto definitivamente resolvido e as contas publicas salvas.

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Solilóquios (45)



Aqui uma gaja já nem tem palavras para qualificar as declarações deste pentelho....

 “50% do que eu ganho vai para impostos. Quanto mais ganhar, maior é a receita do Estado com o pagamento dos meus impostos, e isso tem um efeito redistributivo para as políticas sociais”


terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Canalhices e outros quejandos



Ele há histórias que vêm mesmo, mesmo, mesmo a calhar, não há? com o país confrontado com uma comunicação social rastejante e servil, onde predominam os paineleiros ao estilo Rui Moreira, que desde o futebol à venda da banha da cobra têm sempre uma "avisada" opinião sobre tudo e mais um par de botas,  com a emigração maciça de jovens desempregados qualificados a disparar, com a taxa de desemprego acima dos 30% entre a população com menos de 25 anos, com os escândalos diários das nomeações à chinoca, com os empresários a debandarem do pais, com o Governo a preparar o terreno para mais medidas de austeridade no montante de 0,3% do PIB, até ver...,  com o medo  e a austeridade para além do suportável a tomar conta das famílias, os senhores juízes decidiram que o que faz falta é dar à malta doses cavalares da soporífera novela  "O inglês técnico de Sócrates". Há coisas fantásticas não há?

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

"Como ispilico"?


"As nomeações para a EDP são um mimo. Catroga, Cardona, Teixeira Pinto, Rocha Vieira, Braga de Macedo... isto não é uma lista de órgãos societários, é a lista de agradecimentos de Passos Coelho. O impudor é tão óbvio nas nomeações políticas que nem se repara que até o antigo patrão de Passos, Ilídio Pinho, foi contratado."(...)

"Por esta lógica, ainda veremos Ângelo Correia ou José Luis Arnaut assomarem numa das próximas nomeações (a próxima é já a Portugal Telecom). O problema é que, enquanto isso, milhões de portugueses estão a perder salários, empregos, a pagar mais impostos, mais pelas rendas ou pela saúde. Estas nomeações são uma provocação social. Porque enquanto muitos tratam da sua vida, alguns tratam da sua vidinha."


Macaquinhos do Chinês, Pedro Santos Guerreiro, aqui

Amnésias...



Este alarve não percebeu, tadinho. Para quem percebia sempre tudo, agora deu-lhe uma branca...,

Imagem daqui

domingo, 8 de janeiro de 2012

Há domingos assim...



Neste domingo deixo-vos com Mozart, o Grande, que deve estar a revolver-se no túmulo com o abuso que certos salieres fazem do seu nome em lojas de quinta categoria...

Excerto de A Flauta Mágica, com encenação de Julie Taymor, direcção de James Levine, gravado no Metropolitan Opera House.

sábado, 7 de janeiro de 2012

Porque hoje é sábado



Tenham um excelente fim de semana na companhia do fabuloso Quinteto de Miles Davis, com  John Coltrane,  Paul Chambers, Red Garland, Philly Joe Jones

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

"Cherchez la femme"



"A firma Jerónimo Martins (mercearias finas) merece todo o respeito e consideração. Primeiro, porque antigamente comprou azeite a Herculano. Segundo, porque ajuda hoje a divulgar o interessantíssimo pensamento de António Barreto, que por enquanto não vende azeite."

Pingo Amargo, VPV, Público de hoje

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Solilóquios (44)

Eu se estivesse no lugar do Bernardino Soares, ao tempo que já tinha desfeito as fuças do José Luís Arnaut, em directo e a cores na SICN. O homem é duma tal  arrogância irritante, histérica e malcriada,  que é preciso ter uma paciência de santo para permanecer plácido e sereno sem o mandar pró... pois para aí mesmo.

Ir além da troika....


"Portugal é o único país onde as medidas de  austeridade exigiram um esforço financeiro  aos pobres superior ao que foi pedido aos ricos, revela um estudo da Comissão Europeia."

Reina a calma em todo o pais....

A Perpectiva das Coisas


Paul Césanne (1839-1906) Natureza-Morta com Pote de Gengibre e Beringelas, 1893-1894, óleo sobre tela, 72,4x91,4cm

A Natureza-Morta na Europa 
Séculos XIX-XX (1840-1955)
Museu Calouste Gulbenkian
Até 8 de Janeiro

Apressem-se.

Estão representados obras onde sobressai a presença de pintores de referência como Manet, Monet, Renoir, Van Gogh, Gauguin, Cézanne, Braque, Picasso, Juan Gris, Dali, Magritte,  Matisse, Soutine, e ainda dos portugueses Amadeo Souza-Cardoso, Eduardo Viana, Mário Eloy e Vieira da Silva.

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

O patriota


"Eu acredito nos Portugueses. O civismo, a coragem e a serenidade com que têm enfrentado estes tempos difíceis são dignos de todo o respeito e de enorme admiração.


Muito eu gostava de saber o que pensa o Presidente da Republica  deste grande patriota, que disse numa entrevista a José Gomes Ferreira em 7.04.2011 na SICN  "Nós temos é que olhar para nós, e perguntar: o que é que eu posso fazer pelo meu País?[citação retirada do facebook]

O homem, consumido pela dúvida, deixou de se torturar e já encontrou a resposta.

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

Solilóquios (43)



Entrei no novo ano cansada. A preparação e encenação dos rituais  natalícios e de fim de ano deixam-se sempre para lá de moribunda. Este ano o que me mais me impressionou foi constatar que a crise está definitivamente instalada nas grandes superfícies. Se no período de Natal a coisa passou mais ou menos despercebida, para a passagem do ano a pobreza franciscana da falta de variedade da oferta de produtos tradicionais para a época foi gritante. Estamos a empobrecer, o nosso primeiro pode começar já a limpar as mãos à parede, por este andar lá chegará o dia em que teremos de ir para a bicha do leite,... quem o puder comprar.